Caracterização

O território da Freguesia de Torres do Mondego estende-se para Este/Nordeste ao longo das duas margens do Mondego, ocupando as vertentes cultiváveis do vale encaixado. Nesta Freguesias rural por excelência, estas terras souberam manter nas últimas décadas as suas características próprias, escapando á expansão da construção urbana e evoluindo de forma equilibrada.
 
O Rio Mondego e o seu vale encaixado representam o geomorfológico mais marcante deste território, dando á paisagem um cunho serrano muito diferente das paisagens a jusante, já em pleno curso inferior do rio.
 
Para além de Torres do Mondego, sede da Freguesia, espalham-se de uma lado e do outro do omnipresente Mondego os lugares de:
Carvalhosas, Palheiros, Zorro (Margem esquerda).
Casal da Misarela, Misarela, Ribeira da Misarela, Vale de Canas, Casal do Lobo, Cova do Ouro e Dianteiro (Margem direita).
 
A Freguesia confronta com as freguesias de Santo António dos Olivais, Ceira, Eiras e São Paulo de Frades, e ainda com a freguesias de Penacova e Vila nova de Poiares.
 
Fauna Envolvente
O abandono agrícola dos anos 70-80 e as transformações do leito do Mondego pós-barragens trouxeram impactos decisivos na diversidade faunistica ao longo do todo o vale fluvial. Roedores como os coelhos e esquilos permitem a fixação ao uma população migratória do milhafre real e de alguns casais de águia de asa redonda. Javalis e raposas permitem avistamentos frequentes, sendo também possível avistar o esquivo gato torrão (geneta).
Dentro de água a diversidade das espécies piscícolas e a rica população de anfíbios e do repteis alimenta garças cinzentas e brancas, corvos marinhos e. ocasionalmente, a águia pesqueira
São comuns nesta arca o gaio, o corvo, a rola, a coruja das torres e o emblemático guarda-nos O reaparecimento da lontra atesta a qualidade destes habitats, assim como o avistamento. embora raro, da cegonha negra. Espécies migradoras, corno a lampreia e o sável são expectáveis após a construção da escada de peixe do açude de Coimbra.
 
Flora Envolvente
A zona envolvente apresenta uma considerável diversidade florística, com biotopos de elevado valor ecológico. Por entra as povoações mistas de pinheiro e eucalipto, merecem destaque as manchas do carvalho-cerquinho, sobreiro o carvalho alvarinho.
A riqueza da vegetação arbustiva exprime-se pela cresceste quantidade de carrasco, medronheiro, loureiro, roseira brava, sabugueiro. pilreteiro. entro outros
Estas espécies constituem a cobertura vegetal primitiva destas encostas. verificando hoje o seu regresso após o processo de abandono agrícola e tonificado pelo grande incêndio de 2005. A galeria ripícola constituída essencialmente por salgueiro negro, choupo negro, salgueiro branco, freixo o choupo branco servem de acolhimento a uma grande variedade de aves.